Sabendo da importância e da influência da Bienal de Veneza (Itália) e da Documenta de Kassel (Alemanha), a Galeria Tato convidou a curadora Rejane Cintrão para guiar-nos pelas maiores e mais antigas exposições de arte do mundo. A viagem terá duração de 10 dias e contará com visitas guiadas pelas mostras, além de uma curadoria particular para cada artista participante, de acordo com a sua pesquisa, poética, processos e projetos. Ademais, integram-se ao acompanhamento da curadora, visitas presenciais a outras instituições culturais em Veneza, além de aulas (online) pré e pós viagem para que todo o conhecimento possa ser trabalhado e o repertório dos artistas seja enriquecido.

 

Inscrições abertas com vagas limitadas.

2000-850-december-2020_edited.jpg

VIAGENS

Visita guiada à Bienal de Veneza (Itália) e a Documenta de Kassel (Alemanha)

19/09/2022 >> 29/09/2022 

  • Seleção curatorial de todas as exposições por Rejane Cintrão

  • 2 dias de visita guiada na Documenta (Kassel, Alemanha)

  • 4 dias de visita guiada a Bienal de Veneza (Giardini e Arsenale) e outras 4 instituições

  • Todos os tickets das exposições

  • Apresentação para cada artista de referências personalizadas pela curadora do grupo, Rejane Cintrão

  • 10 aulas de acompanhamento com a curadora Rejane Cintrão

PARA QUEM

Aberto para artistas de todo o mundo que falem a língua portuguesa. 

PROPOSTA

A partir de aulas e de acompanhamento curatorial, o programa da viagem 

proporcionará a um grupo de artistas uma visitação guiada pela Documenta de Kassel e a Bienal de Veneza,além de instituições culturais em Veneza como: Palazzo Ducale; Punta Della Dogana; Accademia e a Coleção Peggy Guggenheim.

DURAÇÃO

Os encontros serão realizados via zoom, todas as terças, das 19h às 20h30.

Viagem: 19/09/2022  >>> 29/09/2022

Aulas: 10 encontros (06 e 13 de Setembro e 4-11-18-25 de Outubro e 1-8-22-29 de Novembro)

rejane.png

ACOMPANHAMENTO CURATORIAL

Rejane Cintrão é curadora independente, formada em Artes Plásticas pela FAAP-SP e mestre em História da Arte pela ECA/USP.

 

Foi coordenadora do Instituto Figueiredo Ferraz, de junho 2013 a junho 2021, tendo sido organizadora do livro Os Anos 80: textos imperdíveis para entender a década, publicado pela instituição em 2021. No mesmo ano, realizou duas mostras como curadora convidada pela Casa Tato, com artistas contemporâneos brasileiros.

 

Trabalha na área cultural há cerca de 40 anos, tendo iniciado sua carreira como coordenadora do setor de exposições temporárias e vídeos no MAC-USP, em 1983, onde permaneceu até 1991. Atuou como curadora executiva do Museu de Arte Moderna de São Paulo (1993 a 2006). 

 

Foi curadora das  mostras, entre outras: Da Arte de Expor Arte e Figuras Quase Figuras, ambas pelo Grupo de Estudos de Curadoria do MAM; Fotografia Não/Fotografia (Museo de Guadalajara, México, 2000 e MAM-SP, 2001; Arte Concreta Paulista - Grupo Ruptura (Centro Maria Antonia, São Paulo, 2002 – exposição e livro publicado pela Cosac & Naify); 7SP – Seven Artists from São Paulo, CAB, Bruxelas, Bélgica (2011), e das mostras realizadas no Instituto Figueiredo Ferraz: O Espirito de Cada Época, em 2015; #iff2018, em 2018; e “Outras Paisagens”, em 2020. Idealizou o Programa Novos Curadores, 2010; os projetos de site specifics no Espaço Cultural do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (2010-2014). Realizou nove curadorias para a Torre Santander, São Paulo (2011 -2014), nas quais foram apresentados mais de 120 artistas modernos e contemporâneos brasileiros. 

 

Autora do livro Algumas Exposições Exemplares, pela editora Zouk (2001), atuou como professora convidada no curso de pós-graduação Museologia, Colecionismo e Curadoria na Faculdade de Belas Artes em São Paulo, de 2013 a 2017. 

BIENAL DE VENEZA

A Biennale, curada por Cecilia Alemani, acontecerá no Pavilhão Central  (Giardini) e no Arsenale, incluindo 213 artistas de 58 países; 180 deles participando pela primeira vez em uma Exposição Internacional. São 1433 trabalhos e objetos sendo exibidos, 80 novos projetos concebidos especificamente para a Biennale.

Biennale-2022.jpg_quality=90&strip=info.jpg
Sharing-image-scaled.jpg

DOCUMENTA DE KASSEL

O coletivo de artista ruangrupa, construiu o fundamento da 15ª Documenta de Kassel nos ideais do lumbung (termo indonésio para um celeiro de arroz comunitário). Lumbung como um modelo artístico e econômico é enraizado nos princípios da coletividade, construção de recursos e distribuição equalitária. A lista de artistas selecionados por eles para esta edição chama atenção pela relativa ausência de luminares do mundo da arte e pela presença de uma ampla gama de artistas trabalhando com diversas mídias.